45 anos de Star Wars: Que a força esteja com você!



“Há muito tempo numa galáxia muito distante”, um visionário conhecido por George Lucas descobriu a fórmula secreta que reúne seres intergalácticos, tecnologia futurística e personagens enigmáticos capazes de despertar a paixão de terráqueos de todas as idades.

No dia 25 de maio de 1977 o planeta Terra era apresentado ao mundo de Star Wars com a estreia nos cinemas do “Episode IV – A New Hope” (Episódio IV – Uma nova esperança). Sim, no melhor do estilo shakespeareano, a história começou a ser contada no que seria o “capítulo 4”. E você sabia que nem todas as salas tiveram interesse em exibir o filme? Pois é...

Como naquela época as estreias não eram simultâneas ou com uma diferença de poucos dias, países como o Brasil esperavam meses para a chegada de um novo filme. Por isso, foi somente no dia 18 de novembro do mesmo ano que chegou aos cinemas brasileiros sob a tradução de “Guerra nas Estrelas” e, claro, seguiu a tendência de arrastar multidões para conferi-lo na telona.



Você sabia que Steven Spielberg ganhou uma aposta feita com George Lucas e levou uma fatia da bilheteria de Episódio IV? Enquanto Lucas apostava que “Contatos imediatos de terceiro grau” de Spielberg faturaria a maior bilheteria daquele ano, o criador de “ET – O Extraterrestre” acertou que o campeão seria “Star Wars” e levou 2,5% da bilheteria do sucesso espacial.

A troca de palpites demonstra que o criador da saga foi modesto ao não acreditar figurar no sucesso de sua ficção científica e certamente não imaginou que quase 5 décadas depois ainda estaria no top 5 das maiores bilheterias do cinema. “Star Wars: O despertar da força” (2015) ocupa o 4º lugar com o faturamento total de US$ 2,069 bilhões. O filme ainda levou 7 estatuetas no Oscar 1978.

Diante de todo sucesso, você sabia que Star Wars teve uma pedra no calçado especial? No ano seguinte à estreia foi feito um especial de Natal (The Star Wars Holiday Special) transmitido pela CBS com única apresentação que sequer foi transformado em um produto da franquia.

O roteiro era sobre a tentativa de Han Solo convencer Chewbacca a encontrar a família no “Dia da Vida”, comemoração equivalente ao Dia da Ação de Graças. Relatos da época contam que Lucas não teve participou ativamente da produção e sentiu-se decepcionado com o resultado.



Uma vez que Solo e Chewie vieram à tona, você sabia que Harisson Ford não foi o primeiro da lista para dar vida ao personagem que ganhou o coração da Princesa Leia e de uma legião de fãs? Atores como Al Pacino e Jack Nicholson recusaram o convite até que foi aceito e interpretado com louvor por Ford. Ah! E você sabia que o copiloto de Han na Millennium Falcon foi inspirado em um cachorro de George?

Carrie Fisher, atriz que eternizou a Princesa Leia, interpretou uma personagem a frente de seu tempo. Líder nata e empoderada, longe do estereótipo da heroína frágil e indefesa, ela não pensou duas vezes para reunir os rebeldes e enfrentar Darth o lado oposto da força.

Gêmeo da Princesa, Luke Skywalker, papel de Mark Hamill é o grande segredo revelado na trilogia narrada nos episódios IV, V e VI. Sob o treinamento de Mestre Yoda, Luke torna-se o jedi que vence as batalhas interna e externa contra seu pai, Darth Vader, que um dia foi um jovem jedi promissor e ousado – o escolhido –, mas trocou o sabre azul pelo vermelho do lado sombrio. Mas como se trata de Star Wars, a história que começa no Episódio I vai muito além e tem um desfecho emocionante no Episódio VI e segue a influenciar e derramar lágrimas nos Episódios VII, VIII e IX.

Sobre Mestre Yoda, a seguir citar irei... Você sabia que para criar a variedade de povos de planetas diferentes que são mostrados em cada filme ou série, Lucas estudou diversos idiomas? Um deles foi o sânscrito do qual retirou Yoda que significa “guerreiro”.



E como abordar Star Wars sem citar os icônicos R2-D2, C-P3O e BB-8? Você sabia que o C-P3O é fluente em 6 milhões de línguas? Certamente, ele seria uma grande ajuda a Lucas... Já R2-D2, além da responsabilidade com a navegação e manutenção das aeronaves arrancou suspiros quando, para aflição de C-P3O, tenta bancar o herói. Por sua vez, a inteligência artificial BB-8 entrou na Saga a partir do Episódio VII e tem a capacidade de comunicar-se com quase todas as espécies da galáxia.

Você sabia que com a venda da LucasFilm para a The Walt Disney Company em 2012 e com o anúncio de uma nova trilogia, Lucas passou a ser consultor dos filmes. Chamada “Trilogia Sequela”, fazem parte dela: “Episódio VII – O despertar da força”, “Episódio VIII – Os últimos Jedis” e “Episódio IX – A ascensão Skywalker”.



Ela acontece 30 anos após a queda do Império pelos Rebeldes e traz uma nova ameaça: Kylo Ren (Ben Solo), neto de Vader. Luke Skywalker está desaparecido e a Resistência é liderada pela General Leia Organa. Novos personagens são apresentados, como Rey e Finn, no entanto, assim como ocorre no Conselho Jedi São Paulo – CJSP, a maioria dos fãs ainda têm Vader e Luke como favoritos.

Para Marcelo ‘Chewie” Forchin – Presidente Darth Vader do CJSP, “a maior curiosidade dos fãs da Saga é justamente a curiosidade. Nenhum deles se contenta apenas em ver os filmes. Todos querem sempre saber mais sobre as produções e seus spin-off’s, sejam nos games, na literatura, nos quadrinhos ou ainda nas séries que chegam aos canais oficiais de streaming como Disney+ ou Star+”.



Uma paixão de pai para filho


Ser fã de Star Wars muitas vezes é como uma tradição passada entre gerações. É o caso de Erick Martinez e de seu pai João Martinez que também atende por Darth Vader. Foi em 2005 que Erick assistiu um episódio no cinema, o que despertou sua paixão pela saga. “Fui ao cinema assistir ‘Star Wars: Episódio III – A Vingança dos Sith’ e desde então eu comecei a gostar de verdade, para valer”, ele conta.

“Meu pai sempre foi fã de Star Wars e eu reacendi essa chama dele”, Erick garante. “Eu posso garantir que assim como outras coisas, a paixão por Star Wars pode ser passada de pai para filho, mas esta, com certeza, está no topo da lista”, Erick complementa.

E, claro, a dupla tem a oportunidade de estar junta algumas vezes como cosplays. Erick acreditar ser interessante atuar ao lado de seu pai e recorda-se de uma ocasião em que era Luke Skywalker e ao referir-se a Vader como “pai” as pessoas entenderam que fazia parte da interação entre os personagens e não da verdadeira relação entre pai e filho. Rindo, Erick complementa que “é bem divertido”.

Rogue One – uma história Star Wars” é o favorito de Erick. Ele explica que se trata de “um filme muito perfeito, muito legal tanto para quem é fã de SW como para quem não é porque, realmente, ele é um filme de guerra no espaço”. Fala ainda que há “uma trama muito legal, personagens marcantes, cenas épicas... Nossa, eu adoro esse filme, mas a cena que mais gosto é a final de ‘O retorno de jedi’, o Episódio VI de Star Wars. Aquela cena com o Imperador, Luke Skywalker e Darth Vader, para mim, é tudo de bom: a construção, a fotografia, as cores, o clima, a fala dos personagens... Eu realmente adoro essa cena!”.


Questionado sobre seu personagem favorito, Erick revela ser difícil escolher apenas um quando admira tantos outros, mas elege Obi-One Kenobi. “A construção dele, o jeito que ele age, a importância dele na história... Eu diria que, sim, Obi-One é o meu preferido”.

Você sabia que Erick revelou uma das curiosidades que conhece sobre Star Wars? Trata-se da criatura Bantha do planeta Tatooine em Uma nova esperança. Para caracterizar o gigantesco mamífero, ele conta que o elefante terrestre foi “vestido para parecer aquele animal, ou seja, era basicamente elefante de cosplay”.

Tatooine é onde o pequeno Anakin Skywalker era prisioneiro, como mostra “Episódio I – A ameaça fantasma”. Também é quando ele é encontrado pelo Cavaleiro Jedi Qui-Gon Jinn, passa a ser aprendiz do Jedi Obi-One Kenobi e conhece a Rainha Padmé Amidala com quem terá os gêmeos Leia e Luke.



Conselho Jedi São Paulo


Antigamente o termo ‘nerd’ era mal-visto, de modo pejorativamente. Não para os integrantes do Conselho que se orgulham do conhecimento que possuem não apenas sobre a Saga, mas de uma forma geral sobre a cultura pop que movimenta o mundo do entretenimento.” (Marcelo “Chewie” Forchin)

O Conselho Jedi é referência aos fãs de Star Wars. Reduto dos nerds paulistas de nascimento e de coração, o de São Paulo foi o segundo a ser fundado. De acordo com o presidente Marcelo “Chewie” Forchin, o CJSP “iniciou as atividades no dia 1º de maio de 1999, com aproximadamente 20 integrantes. Hoje são aproximadamente 20 mil apenas em uma de suas comunidades virtuais e hoje somos 17 Conselhos Jedi espalhados pelo Brasil”.

Marcelo revela que “ter o personagem favorito não é um requisito para integrar o clube, mas uma forma de conhecer e reconhecer seus pares num grupo bastante abrangente e que normalmente incluem talentos e interesses em comum”. Também ressalta ser “bastante comum alguém que jogue os games se encontre com grupos de jogadores dentro do clube e passe a fazer parte de clãs que disputam seu lugar na galáxia. Ou ainda grupos que se interessam por música ou literatura, sendo SW apenas o início da aventura”.



No entanto, sejam Rebeldes ou Imperiais, todos são bem-vindos e respeitados. “É importante frisar que, apesar do nome ser Conselho Jedi São Paulo, seus integrantes têm suas preferências respeitadas”, ressalta o presidente do CJSP. E vai além: “Isso também se aplica a outras franquias de ficção e fantasia como Star Trek, Game of Thrones ou aos filmes da Marvel e/ou da DC”.

Além da JediCon, o CJSP realiza Encontros Oficiais a cada dois ou três meses, normalmente em algum parceiro comercial do clube que possua áreas livres de convivência. Marcelo conta que “também podem acontecer pré-estreias e mesmo estreias de filmes, sejam de ficção ou de fantasia, que sejam de interesse comum dos integrantes do clube”.


JediCon

A Jedicon é o maior evento Star Wars realizado no Brasil. Forchin conta que “surgiu da necessidade de se encontrarem fãs da Saga que, na época (1999), ainda eram vistos como ‘eremitas’ por muita gente”. O presidente do CJSP afirma que “partir de um Encontro Nacional presencial, era possível conhecer e interagir com pessoas de lugares distantes, mas que já mantinham um relacionamento virtual de amizade através das recém-criadas redes sociais”.

A primeira JediCon foi realizada em 1999 com a união dos Conselhos Jedi de três estados (MG, RJ e SP) com a estimativa de público entre 100 e 200 pessoas. Porém, como relata Marvelo, o resultado “causou uma enorme surpresa ao juntar mais de 700 fãs com os mais diversos gostos pela Saga, de fantasiados a jogadores de cartas”.

Hoje, cada Estado procura realizar sua própria JediCon e outros que ainda não possuem condições para tal, procuram visitar as edições de seus Estados vizinhos para aproveitar, se divertir e, quem sabe um dia, aproveitar as ideias para o seu próprio evento.



Cronologia para assistir aos filmes de Star Wars


Star Wars: Episódio I - A Ameaça Fantasma (1999)

Star Wars: Episódio II - Ataque dos Clones (2002)

Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith (2005)

Solo: Uma História Star Wars (2018)

Rogue One: Uma História Star Wars (2016)

Star Wars: Episódio IV - Uma nova esperança (1977)

Star Wars: Episódio V - O Império Contra-ataca (1980)

Star Wars: Episódio VI - O Retorno de Jedi (1983)

Star Wars: Episódio VII - O Despertar da Força (2015)

Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi (2017)

Star Wars: Episódio IX - The Rise of Skywalker (2019)



Informações

Acompanhe o Conselho Jedi São Paulo nas redes sociais (Facebook | Instagram | Twitter): @conselhosp

263 visualizações0 comentário

Posts Relacionados